Low Carb, Receitas

Strogonoff de Frango

novembro 28, 2016

 

Strogonoff de Frango
Avalie a receita
Imprimir
Ingredientes
  1. 1 filé de frango picado em cubos (tempere com sal e pimenta do reino)
  2. 1 cebola pequena em cubinhos
  3. 1 dente de alho picadinho
  4. 2 colheres de sopa de conhaque
  5. 1 colher de sopa de molho inglês
  6. 4 colheres de sopa de molho de tomate (procure aqueles que têm só tomate na composição)
  7. Champignon a gosto
  8. 1 colher de chá de ketchup
  9. 1 colher de chá de mostarda
  10. 1/2 caixinha de creme de leite
  11. 1 pitada de noz-moscada
Preparo
  1. Esquente o azeite, coloque os cubinhos lado a lado deixando um pequeno espaço entre um ele, deixe dourar de um lado e depois do outro. Gosto de fazer na frigideira antiaderente e quase sempre é preciso fazer em duas ou três vezes. Esse processo é a única parte trabalhosa da receita, mas é essencial e faz toda a diferença no resultado final
  2. Reserve o frango e na mesma frigideira doure a cebola e o alho (se preciso coloque mais azeite
  3. Retorne o frango à panela, adicione o conhaque e se possível deixe flambar (deite a frigideira em direção à chama do fogão)
  4. Depois o molho inglês, molho de tomate, ketchup, mostarda e o champignon
  5. Se necessário coloque um pouco de água
  6. Deixe ferver um minutinho e acrescente o creme de leite
  7. Acerte o sal, adicione a noz moscada e seu strogonoff maravilhoso está pronto!
ByPaulinha.com http://bypaulinha.com/

Low Carb, Receitas

Spaghetti de abobrinha

novembro 28, 2016

spaghetti-abobrinha

  • 1 abobrinha (quanto mais comprida e retinha, melhor)
  • Azeite de oliva ou outra gordura de sua preferência
  • Temperos e sal a gosto

A estrela da receita é esse ralador da marca Keita. Você encontra em qualquer loja de utensílios domésticos. Se não encontrar, mostra a foto pro dono da loja que ele encontra e encomenda! Eu ralo na parte mais grossa, a textura fica melhor na minha opinião. Uso a outra parte pra salada crua.

Você vai passar o ralador de forma bem firme de fora a fora na abobrinha, fazendo fios compridos. De vez em quando uso a “cabeça” da abobrinha pra fazer recheada, é só tirar o miolinho e cozinhar no vapor, rechear e gratinar no forno. Sempre acabo aproveitando em outras receitas o que sobra da abobrinha. 
Depois de ralar, é só aquecer a frigideira com o azeite e refogar. Eu não deixo amolecer muito, vou provando até chegar na textura que mais gosto. Fica ótimo fazer com cenoura junto, por ser um pouco mais dura coloque um minutinho antes.
Dá pra cozinhar na água ou no vapor? Dá! Mas, na minha opinião, refogado no azeite o spaghetti fica bem mais gostoso.

O próximo post é a receita do Strogonoff de Frango!


Low Carb, Receitas

Parmegiana de Carne Moída

novembro 26, 2016
Parmegiana de Carne Moída
Avalie a receita
Imprimir
Ingredientes
  1. 500 g de patinho (ou a carne de sua preferência) moído
  2. 1/2 cebola ralada (coloque em uma peneira com um pouco de sal, deixe por alguns minutos e esprema bem o líquido que soltar)
  3. 1/2 colher de sopa rasa de sal
  4. Pimenta do reino a gosto
  5. 2 colheres de sopa cheias cream cheese (pode ser requeijão mas o cream cheese é mais firme e não escorre)
  6. 2 fatias de presunto
  7. 3 de queijo
  8. 500 ml de molho de tomate de preferência caseiro
  9. Queijo ralado para finalizar
Preparo
  1. Em uma travessa (a minha é quadrada, do tamanho de um palmo bem aberto) coloque metade da carne moída temperada com os três primeiros ingredientes;
  2. Uma espátula de silicone facilita bastante a montagem do prato
  3. Espalhe o cream cheese pela carne;
  4. Coloque as fatias de presunto e queijo deixando sobrar um espaço nas bordas;
  5. Acrescente a outra metade da carne e ajeite com cuidado;
  6. Use a espátula de silicone para apertar bem os cantinhos dando um formato arredondado nas bordas;
  7. Cubra com a metade do molho de tomate e leve ao forno pré-aquecido por 50 minutos.
  8. Retire do forno, coloque o restante do molho, cubra com queijo ralado e volte para o forno até dourar.
ByPaulinha.com http://bypaulinha.com/

Low Carb, Receitas

Maionese de Chuchu

novembro 25, 2016

Domingão bate aquela vontade da maionese com batatas né? Batia! Você vai se apaixonar por essa 🙂

Maionese de Chuchu
Avalie a receita
Imprimir
Ingredientes
  1. 1 chuchu grande picado em cubos
  2. 1/2 cenoura em cubinhos
  3. 2 colher de sopa de maionese (pode ser a caseira ou a tradicional)
  4. 2 colher de sopa de creme de leite
  5. 1/2 dente de alho esmagado
  6. salsinha à gosto
Preparo
  1. Cozinhe o chuchu e a cenoura com um pouco de sal na água
  2. Espere esfriar
  3. Misture o restante dos ingredientes, escolha o acompanhamento e delicie-se!
Notes
  1. Eu amo comer essa maionese bem geladinha!
ByPaulinha.com http://bypaulinha.com/

Geral

Tudo o que você precisa saber sobre o Kefir

novembro 24, 2016

Super post da Nutricionista Camila Hermeto especialmente para o blog!

O kefir é uma colônia de micro-organismos formada por lactobacilos e leveduras sendo, portanto, um probiótico natural poderoso! (Os probióticos são bactérias benéficas que colonizam temporariamente a mucosa intestinal, combatendo as bactérias patogênicas. Com isso, melhoram a perfusão intestinal e absorção dos nutrientes). Basicamente o Kefir contém: 8 leveduras, 2 bactérias acéticas, cerca de 16 lactobacilos, cerca de 9 streptococci/lactococci, ácido fólico, ácido pantotênico, biotina(vitamina B), cálcio, carboidratos, fósforo, gordura, lactase, magnésio, niacina (vitamina B3), potássio, proteínas, pyridoxina (vitamina B6), triptofano, vários outros aminoácidos benéficos, vitamina B12, vitamina K.

Existem evidencias que comprovam seu surgimento ha mais de 4 mil anos, na região do Cáucaso, porém sua complexidade ainda não foi totalmente descoberta pela ciência. O que já se comprovou foi a limpeza da membrana intestinal, trazendo grande alívio para muitos sintomas . O maior mérito do Kefir está na alta qualidade e quantidade de aminoácidos e na eliminação de micro-organismos patogênicos da flora intestinal. O kefir já foi testado em laboratório in vitro e em animais, tendo sido observadas propriedades anticancerígenas, antifúngicas, antivirais e antimutagênicas.

Por isso, tem sido usado como PARTE do tratamento de uma grande variedade de doenças. Não significa que deve substituir o tratamento medico, e sim auxiliar!

O kefir tem efeito comprovado no auxílio do tratamento de:

  • Distúrbios nervosos: ansiedade, insônia, síndrome de fadiga crônica;
  • Catarros bronquiais e outros problemas respiratórios;
  • Alergias;
  • Escleroses;
  • Reumatismo e L.E.R.;
  • Tumores;
  • Problemas cardio-vasculares (infarto e arteriosclerose);
  • Problemas de vesícula;
  • Disfunções hepáticas;
  • Problemas renais e icterícia;
  • Doenças do estômago: gastrite, úlceras pépticas e duodenais, regulariza a digestão;
  • Problemas intestinais: diarreias, intestino preguiçoso ou preso, hemorroidas. O kefir previne putrefação intestinal causada por depósito nos intestinos e contribui para depuração do organismo e restaura rapidamente a micro flora intestinal, o que é ótimo para quem se submeteu a longos tratamentos com antibióticos.
  • Anemia, leucemia;
  • Problemas de pele: dermatites, eczemas, lúpus, cândida, psoríase, herpes;
  • Excesso de peso: atuando como um enzimático poderoso, acentua amplamente a assimilação de nutrientes levando a um equilíbrio geral do organismo e saciedade.

Para se beneficiar dos efeitos do kefir, deve-se fazer um consumo periódico pois a colonização das bactérias e lactobacilos no intestino tem vida curta.

TIPOS DE KEFIR

Existem dois tipo de kefir:

  • Kefir de água, pequenos grãos transparentes que fermentam em água ligeiramente adoçada com açúcar mascavo (por ser natural, sem aditivos químicos)
  • Kefir de leite, grãos brancos que fermentam o leite

O kefir de leite deve ser cultivado com qualquer tipo de leite animal, desde que puro. Os leites de caixinha contem muitos aditivos químicos, portanto o kefir tem dificuldade em fermenta-lo, podendo morrer. Diferentemente do iogurte que é fermentado apenas por lactobacilos, o kefir é fermentado por trinta e sete tipos diferentes de micro-organismos em sua colônia. Pessoas que possuem intolerância a lactose podem consumir o kefir de leite pois o metabolismo da colônia de micro-organismos consome a lactose e reduz a caseína, albumina e outras proteínas aos aminoácidos que as constituem, além de sintetizar ácido láctico, a lactase e outras enzimas que ajudam a digerir a lactose restante depois da bebida ingerida, contendo baixíssimo teor de carboidratos. Ainda modificam os sais de cálcio para formas mais facilmente absorvidas pelo organismo humano. Existem relatos inclusive de cura da intolerância a lactose após o consumo constante do kefir. Porem as pessoas possuem sensibilidades diferentes e se o grau de intolerância for muito alto, pode apresentar efeitos indesejados, sendo melhor consumir o kefir de água.

PREPARO

O preparo e cultivo do kefir é simples, porem exige cuidado por se tratar de um organismo vivo. Caso seja contaminado ou armazenado de forma inadequada ele pode morrer.

  • Ao receber os grãos de kefir, eles estarão conservados em uma pequena quantidade de liquido de cultivo (água ou leite). Deve-se coar esses grãos em peneira de PLASTICO e transferi-los a um recipiente de vidro (pote de maionese, jarra, etc), completando com leite novo ou água adoçada.
  • Cobrir o recipiente com um pano ou papel toalha e prender com um elástico. Não se deve colocar tampa! O kefir precisa de oxigênio para realizar a fermentação!
  • Deixar descansando em temperatura ambiente por aproximadamente 24 h
  • Coar os grãos novamente em peneira de plastico. O liquido coado é o que será consumido, podendo ser armazenado em recipiente plástico ou de vidro, com tampa, em geladeira.
  • Colocar os grãos em novo leite e repetir o processo de fermentação.
  • Caso precise de auxilio ao coar o kefir, utilizar uma colher ou espatula de PLÁSTICO, ou SILICONE. O kefir não deve entrar em contato com objetos metálicos.
  • O produto final é bem parecido com uma coalhada. Pode consumir puro ou adoçado, com frutas, cereais, etc!

Fonte da imagem: Google images


Low Carb, Receitas

Molho Pesto

novembro 23, 2016

 Um molho delicioso e super tradicional para incrementar suas receitas!

Molho Pesto
Avalie a receita
Imprimir
Ingredientes
  1. 2 xícaras de manjericão fresco
  2. 1 dente de alho (retire o miolinho dele)
  3. 1 xícara de queijo parmesão ralado (de preferência na hora)
  4. 1 xícara de azeite de oliva
  5. 1 xícara de amêndoas em lascas (tradicionalmente usa-se pinoli ou nozes, mas prefiro amêndoas)
  6. 1 pitada de sal e pimenta do reino a gosto
Preparo
  1. Bata o manjericão, o alho, o queijo e o azeite até virar uma pasta
  2. Adicione as amêndoas em lascas, sal, pimenta e bata até triturar bem
Notes
  1. Você pode armazenar em pote de vidro hermético na geladeira por até 15 dias, ou no congelador por um mês
ByPaulinha.com http://bypaulinha.com/
 
Anote e faça pois vem receita DELÍCIA com molho pesto por aí!